Nesta manhã de sábado (26/8) foi aberto o Congresso Jubilar de 50 anos, da Renovação Carismática Católica, o encontro foi aberto com a acolhida, a animação, a oração do Santo Terço e o canto do Veni Creator Spiritus. Em seguida, a secretária-geral da RCC Brasil, Kédina Rodrigues pregou sobre “Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe do meu Senhor”.

 

A secretária iniciou sua pregação com a palavra Lucas 1, 39-55. A imagem de Nossa Senhora que veio de Aparecida foi apresentada enquanto os fiéis repetiam o seguinte versículo: “Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe do meu senhor”?

Kédina testemunhou que quando se casou ela sentia um enorme desejo de se tornar mãe, mas seu marido, Sérgio mesmo sendo aberto a vontade de Deus não sentia o desejo de ser pai. Ela também tinha um problema no útero, então após ir ao médico recebeu a notícia de que só poderia engravidar após fazer um tratamento que lhe traria diversos problemas. Ao sair de lá ela e seu marido começaram a orar nessa intenção e Deus tocou no coração de seu esposo, ele declarou que queria muito se tornar pai. Kédina conclui o testemunho com a moção que Deus deu a ela, de que primeiro ele quer transformar nosso espírito para depois transformar nossa carne.

Ao decorrer da leitura da palavra Kédina tomou Maria e Isabel como exemplo.  Maria uma jovem temente a Deus, doce, pura e Isabel também temente, a partir do momento em que Deus toca sobre a história delas Ele realiza aquilo que aos nossos olhos seria impossível, pois Maria sendo virgem e Isabel sendo estéril não poderiam se tornar mães, mais Deus age de forma sobrenatural e sopra com seu Espírito Santo fazendo com que Isabel sendo, estéril gere seu filho e Maria sendo, virgem deu à luz a Jesus, o Salvador.

A fé, é uma fé expectante, por isso bendita seja Maria aquela que acreditou. Por isso não se desespere “Creia” o senhor não te desemparará.

 

Kédina disse: “Já está na hora de você testemunhar Jesus Cristo, oportuna ou importunamente! Nos encorajando a testemunhar o salvador”, revelou. Também falou sobre a moção que veio sobre o tempo de jubileu, “esse é um tempo de portas abertas, portas que aos nossos olhos não poderiam se abrir, mas Deus abriu e continuará abrindo”, profetizou.

Concluindo sua pregação Kédina pediu que abrissem no livro de Apocalipse 3,8 que diz: “Conheço as tuas obras: eu pus diante de ti uma porta aberta, que ninguém pode fechar; porque apesar de tua fraqueza, guardaste a minha palavra e não renegastes meu nome. ”

A pregação foi finalizada com um momento de grande louvor junto com os fiéis da RCC-DF que pediram que as portas de sua vida sejam abertas constantemente.

 

Cristina Duarte

Ministério de Comunicação Social da RCC-DF